Feirão de imóveis da Caixa Econômica Federal

domingo, 10 de abril de 2011

Doenças que mais matam cães de dez raças!

10 de Abril de 2011

1. Labrador
O labrador, que costuma viver até 13 anos, pode passar por problemas ósseos. As principais doenças que podem levar o pet dessa raça à morte são as as chamadas osteocondrose (que atinge músculos e osso); torção gástrica (quando o estômago rotaciona dentro do corpo); displasia coxofemural (também um problema associado aos ossos e às articulações); e a insuficiência renal (incapacidade do rim de trabalhar).

2. Poodle
O poodle pode ser encontrado de vários tamanhos: padrão (45 a 60 cm), médio (35 a 45 cm), miniatura (28 a 35 cm) e toy (28 cm). Esses cães espertos podem viver até 18 anos. O principal problema de saúde da raça é o câncer. No entanto, problemas de tireoide, pele e articulações também são comuns.

3. Pastor Alemão
A expectativa de vida de cães da raça pastor alemão é 12 anos. Animais de grande porte pesam entre 27 kg e 38 kg. O problema mais comum na raça é a displasia coxofemural, um defeito na formação da articulação do membro traseiro; isso traz dores ao animal, que pode até não conseguir mais andar.

4. Pinscher
O pinscher pode alcançar até 20 anos. Luxação na rótula do joelho e necrose da cabeça do fêmur são comuns no bicho. Outras doenças da raça são eplepsia e sarna demodécica, também chamada sarna negra, que não passa ao humano, mas pode debilitar o animal.

5. Rottweiler
A expectativa de vida do rottweiler é de 10 a 12 anos. O peso varia entre 37 e 65 kg, e o cão pode medir até 68 cm. A raça pode apresentar problemas no quadril, de ligamento, alergias e hipotireoidismo (diminuição da produção dos hormônios da tireóide que afeta toda a saúde do animal).

6. Shih-tzu
O shih-tzu pode pesar até 8 kg e sua altura varia entre 20 a 28 cm. O cão pode viver até 15 anos. Os problemas de saúde que a raça pode apresentar são úlcera de córnea, dor de ouvido, pedra nos rins, insuficiência renal e cherry eyes. Este último termo trata-se do deslocamento da glândula da terceira pálpebra, que é responsável pela produção de aproximadamente 30% da lágrima do olho. Isso cria uma bola vermelha nos olhos, que deve ser corrigida com cirurgia.

7. Maltês
Os problemas mais comuns de saúde que o maltês apresenta são nas articulações, no fígado e nos olhos. O cãozinho vive até aos 18 anos e pode pesar entre três e quatro quilos. Ele chega a medir entre 20 a 25 cm.

8. Pit bull
O pit bull pode atingir a altura entre 35 a 50 cm, e seu peso pode variar de 30 a 50 quilos. As principais doenças que podem levar o cão à morte são alergias de pele, dermatite troncular solar canina (queimadura solar em animais de pele rosada na barriga e no focinho), além de fraturas dentárias. O bicho também pode sofrer com displasia coxofemural (defeito na formação da articulação do membro traseiro; isso traz dores ao animal, que pode até não conseguir mais andar).

9. Boxer
O peso de um boxer varia de 28 a 30 kg e o cão chega a medir entre 57 e 63 cm. A raça pode desenvolver câncer, doenças gástricas e cardíacas, hipotireoidismo e displasia coxofemural (defeito na formação da articulação do membro traseiro; isso gera dores ao animal, que pode até não conseguir mais andar). Um boxer chega a viver 10 anos.

10. Cocker spaniel
As principais doenças que se desenvolvem no cocker spaniel são as de olhos, como catarata, atrofia progressiva da retina e glaucoma (aumento da da pressão intraocular, que pode levar à perda da visão). Epilepsia, surdez, dor de ouvido e cardiomiopatia dilatada (doença do coração que pode matar o bicho) também são comuns. A média de vida dele é de 11 anos. O cão chega a pesar entre 11 e 13 kg e mede de 35 a 38 cm.

Fonte: R7 Notícias/Jornal dos Bichos/Blog Diniz K-9

2 comentários:

  1. Minha cachorra e uma Cocker Spaniel e ela ja esta cega de um olho,dou sempre colirios,etc...
    Oque posso fazer para que ela não fique totalmente cega??
    Por Favor se tem uma dica me digam!!!
    Bjos

    ResponderExcluir
  2. O fato do seu cão ficar cego não signigica que fique incapacitado. Eles adaptam-se muito melhor que nós à falta de visão. Quando a perda de visão é progressiva, como no caso da atrofia progressiva da retina em que a perda de visão ocorre ao longo de meses, o cão tem tempo para se adaptar, de modo que, em muitos casos, os donos nem percebem. Em perdas agudas de visão as alterações comportamentais são muito mais evidentes, mas é uma questão de tempo e paciência até que ele se adapte à sua nova situação. Existem algumas coisas que em casa podemos fazer para ajudar e facilitar a adaptação do seu cão à sua nova condição de invisual: A cegueira não causa dor física, o seu cão volta de novo a fazer uma vida normal e feliz. Não há razão para eutanasiar o seu cão só porque ele é cego. Tentar manter o meio em que o seu cão vive (casa ou jardim) sem alterações. Não mudar mobílias, portões, etc. Proteger o seu cão de coisas potencialmente perigosas (lareiras, piscinas, tanques de água, etc.) com vedações ou outro tipo de obstáculos. Para o seu cão invisual os pontos de orientação em casa, principalmente numa fase inicial, são a sua cama e o local em que come. Estes dois locais não devem ser mudados nunca. Se por qualquer razão notar que o seu cão está desorientado em casa deve levá-lo até um destes locais. A partir daí ele vai orientar-se de novo. Nunca passear na rua sem guia. Ele assusta-se e desorienta-se mais facilmente. Fale com ele quando passear, ele vai sentir-se mais seguro. Subir e descer escadas é o mais difícil. A partir do momento em que ele já consiga fazer isto é porque já está bem adaptado. Até que isso aconteça proteger as escadas com uma grade, de modo que ele não caia. Tente manter os móveis nos seus locais habituais, manter abertas as portas que costumam estar abertas. Principalmente tenha muita paciência com ele. É uma fase difícil mas que com a sua ajuda ele vai ultrapassar. Cada vez mais vai voltar a estar independente e feliz. O que lhes custa muito é a adaptação a uma mudança de casa ou de donos. Num ambiente totalmente novo é difícil a orientação e a adaptação. Mas lembre-se, o mais importante é levar seu pet a um veterinário para que seja diagnosticada o tipo de cegueira que está acometendo-o. Após essa confirmação ele dirá se tem como retroagir o processo de cegueira de ambos os olhos.

    ResponderExcluir